tumblr site counter

Almeida Garrett



João Baptista da Silva Leitão de Almeida , mais conhecido como Almeida Garret, nasceu em Porto, Portugal, no dia 4 de Fevereiro de 1799, e faleceu em Lisboa, Portugal no dia 9 de Dezembro de 1854. Foi escritor, dramaturgo, poeta, político. Sua escola literária foi o Romantismo.

 

A vida de Almeida Garrett

 

Durante a adolescência viveu em Açores, estava lá para escapar ao ataque de Napoleão Bonaparte a Portugal. Em Açores recebeu educação de D. Alexandre, bispo de Angra.

 

Em 1816 foi morar em Coimbra, lá cursou Direito. Foi neste ano que passou a usar o apelido de Almeida Garrett.

 

Ele tomou parte na revolução liberal de 1820 e foi mandado para o exílio em 1823 após a Vilafrancada. Antes do exílio ele havia se casado com uma jovem de 14 anos chamada Luísa Midosi. Na Inglaterra conheceu suas influências românticas como Shakespeare, Walter Scott e outros autores.

 

Algumas Obras de Almeida Garret

 

1819 Lucrécia

 

1821 O Retrato de Vénus; Catão (representação); Mérope (representação)

 

1822 O Toucador

 

1825 Camões

 

1826 Dona Branca

 

1828 Adozinda

 

1829 Lírica de João Mínimo; Da Educação (ensaio)

 

1830 Portugal na Balança da Europa (ensaio)

 

1838 Um Auto de Gil Vicente

 

1841 O Alfageme de Santarém (1842 segundo algumas fontes)

 

1843 Romanceiro e Cancioneiro Geral – tomo 1; Frei Luís de Sousa (representação)

 

1845 O Arco de Sant’Ana – tomo 1; Flores sem fruto

 

1846 Viagens na minha terra; D. Filipa de Vilhena (inclui Falar Verdade a Mentir e Tio Simplício)

 

1848 As profecias do Bandarra; Um Noivado no Dafundo; A sobrinha do Marquês

 

1849 Memória Histórica de J. Xavier Mouzinho da Silveira

 

1850 O Arco de Sant’Ana – tomo 2;

 

1851 Romanceiro e Cancioneiro Geral – tomos 2 e 3

 

1853 Folhas Caídas

 

1871 Discursos Parlamentares e Memórias Biográficas (antologia póstuma)

 

AUTORIA: Marillyn Luciane Damazio.

 

VN:F [1.9.22_1171]
Nota: 0.0/10 (0 votos no total)
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0 (from 0 votos)


Deixe Seu Comentário »