:: Artes

Arquitetura Racionalista

Corrente arquitetônica que surge na Europa após a Primeira Grande Guerra, tem ligação direta com o cubismo das artes plásticas. A partir da experiência da arquitetura Bauhaus de 1919, a influência do movimento racionalista invade também a arquitetura, trazendo para ela a clareza, a limpeza das formas e valorização do que é mais necessário e importante.

 

Conceito

 

A ideia era utilizar no solo e na construção o máximo possível de economia, a partir de grandes pesquisas e tendências construtivistas, dando atenção às características de cada material diferente que seria utilizado como o vidro, a madeira, o ferro e outros metais.

 

Para aqueles que faziam parte dessa escola, dirigida e criada por Walter Gropius (1883 – 1969), a relação entre a forma da construção e a função que ela teria era essencial. O uso de formas elementares para a obtenção de simetria, regularidade e equilíbrio na obra final.

 

Outras características importantes são: estruturas aparentes, inovação nos materiais, ornamentação despojada, estrutura plana, preocupação com os espaços internos e grandes áreas envidraçadas.

 

O que se valoriza é o raciona, o prático, aquilo que realmente é necessário e funcional para aquela construção, deixando de lado os excessos e sobreposições.

 

 

Histórico

 

É a partir de 1925 que este conceito arquitetônico se espalha por toda a Europa, fazendo parte da agenda criativa até 1940 através dos grandes mestres que trabalharam da difusão dos seus trabalhos em associação com arquitetos locais.

 

No entanto, a acadêmia não apoiava essa nova estética e em vários lugares encontraram grandes resistências.

 

Na França destaca-se o trabalho do arquiteto Le Corbusier que é de grande importância para esse movimento, difundindo-o nos países do hemisfério sul e resgatando a herança greco-romana para este momento da arquitetura.

 

O alemão Mies Van Der Rohe foi quem deu forma ao racionalismo que foi difundido em países do Norte, como o Reino Unido, Japão e Estados Unidos.

 

Autoria: Bruna Barlach

One comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *